Morais Rocha Wines em São Paulo

A Morais Rocha Wines marca pela primeira vez presença na APAS Show, conhecida como a maior feira supermercadista da actualidade, que se realiza em São Paulo no Brasil, de 2 a 5 de Maio. Trata-se de um evento que espera mais de 70 mil pessoas, constituindo assim um excelente cartão de visita para as mais emblemáticas regiões vitivinícolas portuguesas: Alentejo, Algarve, Bairrada, Dão e Lafões, Lisboa, Península de Setúbal, Porto e Douro, Região dos Vinhos Verdes, Távora-Varosa e Tejo.

O APAS Show reúne todos os elos da cadeia supermercadista, tratando-se de uma óptima oportunidade de estreitar relacionamentos, sendo ao mesmo tempo uma plataforma efectiva para a realização de bons negócios. O tema desta edição será o “Empoderamento”, que tentará antecipar as tendências internacionais do retalho, nomeadamente perante um consumidor cada vez mais informado e atento às novidades que satisfaçam os suas necessidades, não esquecendo também o papel fundamental dos colaboradores e dos fornecedores.

AP_0110_15E_AF_KV_APAS_2017-1.png

Esta é a 33ª edição da APAS Show, organizada pela APAS – Associação Paulista de Supermercados, sendo encarada pela ViniPortugal – responsável pela promoção dos vinhos portugueses – como uma excelente ocasião para consolidar os vinhos portugueses num dos seus principais mercados receptores. O Brasil é um mercado muito estratégico, tendo Portugal como o seu terceiro maior fornecedor, com as exportações para este país  a crescerem significativamente nos últimos 6 anos, com um aumento de 15%.

A Morais Rocha Wines encara o Brasil como um objectivo estratégico já para 2017. Curiosamente, foi neste país que a sua General Manager, Ana Rocha, fez o seu MBA em Marketing pela Escola de Economia de São Paulo. Segundo a própria, “o Brasil é um mercado importantíssimo e um objectivo estratégico para a Morais Rocha Wines, onde queremos aumentar a presença das nossas referências”.

A Ermida de Santa Clara

Hoje é dia de retomar a descoberta dos recantos mágicos da Vidigueira, numa viagem pelos monumentos históricos que emprestam magia à terra da Morais Rocha Wines. Voltando às ermidas e igrejas que se estendem um pouco por todo o concelho, a Ermida de Santa Clara destaca-se por ser a mais antiga de todas.

blog2.jpg

Mandada construir em 1555 por D. Francisco da Gama, 2º Conde da Vidigueira, e sua mulher, D. Guimoar de Vilhena, esta ermida nasceu no lugar onde se encontrava uma outra, que já em ruínas na altura. Sabe-se que era muito estimada pela população e alvo de romarias ainda hoje recordadas por muita gente, como as festas de Santa Clara.

Classificada como sendo estilo Manuelino com influências do gótico normando, tratando-se de uma construção de planta rectangular, coroada de ameias e com truncado. Acredita-se que esta terá sido a primeira igreja matriz da Vidigueira, ainda que este não seja um facto comprovado.

A Ermida de São Rafael

A região da Vidigueira é rica em monumentos históricos e vestígios arqueológicos, que se juntam à sua rara beleza natural, colorida pelas margens do Guadiana e outros cursos de água. Pode mesmo dizer-se que existe magia em cada recanto, sendo por isso pertinente a Morais Rocha Wines dedicar um olhar mais atento à terra que a viu nascer e que diariamente lhe define o ADN.

Nas ermidas e igrejas espalhadas um pouco por todo o concelho reside uma importante parte de um passado que se funde com a história do próprio país. É o caso da Ermida de São Rafael, mandada erigir no início do século XVII pensa-se que pela mão de D. Francisco da Gama, 4º Conde da Vidigueira e Vice-Rei da Índia, para receber a imagem de São Rafael, que acompanhara Vasco da Gama (seu bisavô) na expedição marítima que este fez à Índia.

blog1.jpg

Embora não existam provas concretas, acredita-se que este templo mereceu desde logo uma considerável devoção, chegado a originar peregrinações e romarias populares. Mais tarde, já no século XIX, esta ermida foi profanada, ficando depois em ruínas. A imagem de São Rafael foi transferida para o Recolhimento do Espírito Santo, seguindo-se uma mudança para o Mosteiro dos Jerónimos aquando da trasladação dos restos mortais de Vasco da Gama para este monumento. Haveria ainda de rumar ao museu da Marinha, onde se encontra actualmente.

Quanto à ermida,  foi alvo de restauro nos anos de 1912 e 1942, seguindo-se a recuperação do seu interior em 1980. No exterior, por cima da porta, existe uma lápide que assinala a sua origem, com a seguinte inscrição:

ESTA ERMIDA FOI MANDADA ERIGIR
PELOS DESCENDENTES DO CONDE
D. VASCO DA GAMA PARA RECOLHER
A IMAGEM DE S. RAFAEL QUE O
GUIOU DA INDIA
RESTAURADA PELA CÂMARA MUNICIPAL
EM 1942.

A essência do Porto

IMG_4235.JPG

É um Porto cheio de estilo e sofisticação, aquele que recebe a Essência do Vinho e logo numa das suas jóias da coroa, o magnífico Palácio da Bolsa. Sente-se uma energia contagiante no ar, uma espécie de convergência colectiva em busca do novo vinho preferido, mesmo aquele que faltava conhecer, tudo num ambiente de muita boa disposição onde toda a gente parece conhecer-se há bastante tempo.

IMG_4291.JPG

A Morais Rocha Wines está presente pela primeira vez e no meio de toda a curiosidade que os seus vinhos despertam, testemunha também o frenesim de um evento que é verdadeiramente único e onde tudo parece acontecer depressa, muito depressa. Sucedem-se as provas comentadas, as harmonizações, sem esquecer as visitas ilustres, que incluem políticos e personalidades da vida social.

IMG_4241.JPG

Lá fora, o Douro corre no seu ritmo calmo e sereno, esperando que a noite caia para que esta cidade se torne ainda mais encantadora. Uma cidade que diz presente nas diversas salas ocupadas pelos expositores, movimentando-se de forma apertada entre elas, numa avidez que dá sentido a tudo o que se diz sobre a Essência do Vinho. Sim, esta é mesmo a principal experiência em Portugal. E que experiência!

IMG_4263.JPG

IMG_4323.JPG

Morais Rocha Wines no Mercado Gourmet

Depois de ter participado nas duas edições anteriores, a Morais Rocha Wines vai estar de novo presente no Mercado Gourmet, que se realiza no Campo Pequeno entre os dias 3 e 5 de Março. Trata-se de um importante certame que inclui 180 projectos nacionais distribuídos por 160 expositores, que vão dar a provar dezenas de produtos gastronómicos e vinícolas de várias regiões do País.

15994987_1388614161162357_5055550205454286360_o.jpg

Esta 6ª edição do Mercado Gourmet é apadrinhada por Joe Best, chef responsável pelo projecto Da Cozinha e terá como objectivo manter o espírito dos mercados antigos, com muito contacto entre os visitantes e produtores, de forma a que estes tenham a possibilidade de dar a conhecer a história por detrás dos seus produtos. Desde as especificidades de cultivo, ao ingrediente secreto que os torna verdadeiramente únicos.

A arena do Campo Pequeno será dedicada a produtos gastronómicos oriundos de diferentes regiões do país e o primeiro piso será ocupado pelas bebidas, com uma selecção de vinhos, licores e cervejas artesanais. A Morais Rocha Wines terá à sua disposição uma ampla oferta de referências que vai poder experimentar e comprar, desde o sempre misterioso “Sei Lá!”, passando pelos surpreendentes “Imoral” e “Herdeiros”, sem esquecer os já clássicos “JJ” e “Herdade dos Heros”. Para dar um toque de absoluta perfeição à sua  experiência, o indescritível “Morais Rocha Reserva”.

Marque na sua agenda, dias 3, 4 e 5 de Março no Campo Pequeno. Vemo-nos por lá.

O Palácio da Bolsa

A principal experiência do vinho em Portugal deve muita da sua grandiosidade ao local onde se realiza, o Palácio da Bolsa no Porto. É certo que os números da Essência do Vinho impressionam – mais de 3.000 vinhos, mais de 350 produtores, mais de 60 especialistas internacionais e mais de 50 actividades paralelas, mas o facto deste evento ter lugar num dos mais belos edifícios da cidade invicta, sendo também um dos mais ricos de Portugal, coloca-o num outro patamar, sem paralelo no calendário anual vínico do país.

original.jpg

Conhecido como um dos salões de visita da cidade, o Palácio da Bolsa no Porto tem acolhido os mais marcantes acontecimentos sociais, políticos e culturais ligados à vida citadina. A sua história começou a ser “escrita” a 6 de Outubro de 1842, dia em que foi lançada a primeira pedra, depois de um grande investimento e muita dedicação dos mercadores portuenses que haviam ficado sem a Casa da Bolsa do Comércio e assim, se viram forçados a discutir os seus negócios em pleno ar livre, na Rua dos Ingleses.

Palacio_da_Bolsa,_Porto.jpg

Este imponente edifício tem uma mistura de estilos arquitetónicos, fundindo traços do neoclássico oitocentista, arquitectura toscana, até aos primórdios policromáticos do Salão Árabe, com notórias influências do gosto neopalaciano inglês. A sua construção demorou quase 70 anos, tendo contado com seis arquitectos principais, dezenas de mestres entalhadores, estucadores, pintores, douradores, pedreiros e centenas de operários.

863069.jpg

Hoje em dia o Palácio da Bolsa, faz jus ao facto de ser um local único e exclusivo, atraindo anualmente mais de 300 mil visitantes e estando entre os monumentos mais visitados no Norte de Portugal. É precisamente neste cenário de absoluto encanto que a Morais Rocha Wines se vai estrear em presenças na Essência do Vinho – Porto, entendendo-lhe a si o convite para que se junte a nós neste evento imperdível. Será um prazer receber a sua visita.

Essência do Vinho – Porto

A Morais Rocha Wines vai marcar presença, pela primeira vez, naquela que é considerada a principal experiência do vinho em Portugal, a Essência do Vinho – Porto. Serão ao todo mais de 3000 vinhos de 350 produtores nacionais e internacionais, em prova livre no Palácio da Bolsa, entre os dias 23 e 26 de fevereiro.

Este evento que já ganhou grande destaque no calendário anual vínico terá um programa bastante completo, que inclui provas comentadas dirigidas por conceituados especialistas, harmonizações enogastronómicas, sessões mais informais para ajudar a percecionar melhor a linguagem do vinho e uma das mais significativas provas anuais de vinhos portugueses.

EssenciaPortoBlog.png

Os vinhos portugueses mais bem pontuados pela revista WINE – A Essência do Vinho, serão aqui alvo de uma última avaliação por parte de um júri internacional, constituído por jornalistas, críticos de vinhos e sommeliers. Dessa prova resultará a eleição do melhor vinho branco, do melhor vinho tinto e do melhor vinho fortificado.

A Essência do Vinho – Porto teve a sua primeira edição em 2004, sendo uma organização da EV-Essência do Vinho, em parceria com a Associação Comercial do Porto. A última edição deste evento contou com cerca de 20.000 visitantes, 28% dos quais era estrangeiros. Fica assim feito o convite para um evento imperdível. Da parte da Morais Rocha Wines, será um prazer receber a sua visita.

International Wine Challenge

Quanto se fala de concursos de vinhos além fronteiras, o International Wine Challenge (IWC) está seguramente entre os mais prestigiados e exigentes de todos. Criado em Inglaterra no ano de 1984 por Robert Joseph, famoso expert e escritor sobre vinhos, teve com o objectivo inicial, comparar os vinhos ingleses com muitos outros, oriundos de vários países. Esta competição cresceu tão depressa, que rapidamente se assumiu como a maior do mundo, alargando a sua actividade no fim dos anos 90 a países como a China, Singapura, Japão, Rússia, Polónia e Índia entre outros. Em 2006, Robert Joseph retirou-se e a competição foi vendida à William Reed Business Media, que ainda hoje faz meticulosamente a sua gestão.

loho

Em cada edição, cerca de 13.000 vinhos estão a concurso, existindo três rondas de provas cegas ao longo de duas semanas. Todos os vinhos que recebam mais de 85 pontos na primeira ronda, qualificam-se para a segunda ronda, onde lhes será atribuída uma medalha de ouro, prata ou bronze. Depois, tem ainda lugar uma terceira ronda, exclusiva para os vinhos medalhados com outro, onde é eleito o grande vencedor da sua categoria. Estes prémios são revelados no Jantar do International Wine Challenge, uma data muito importante do calendário desta indústria, perante mais de 800 convidados britânicos e internacionais.

diplomas.jpg

A Morais Rocha Wines participou este ano pela primeira vez na 34ª edição do International Wine Challenge, tendo obtido resultados muitos positivos, com a atribuição de uma medalha de bronze ao Herdade dos Veros branco de 2015 à qual se somaram duas menções honrosas, respectivamente para o Morais Rocha Reserva de 2012 e o Herdade dos Veros tinto de 2014. Segundo Ana Rocha, a nossa General Manager, esta “competição tem um rigor e um prestígio tão grandes, que a tornam perfeita para os nossos vinhos. Se queremos a excelência, temos de competir com os melhores e penso que para uma estreia, os resultados foram muito bons. Foi uma boa forma de terminar um grande ano, sendo certo que 2017 promete ser ainda melhor”.

Abaixo, um vídeo sobre o processo de avaliação dos vinhos no International Wine Challenge.

MORAIS ROCHA WINES RECEBE ‘OURO’ EM CONCURSO DO CRÉDITO AGRÍCOLA

O Reserva 2012 da Morais Rocha Wines foi premiado com a Tambuladeira de Ouro dos Escanções de Portugal no 3º Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola. Este concurso, promovido em parceria com esta instituição e a Associação de Escanções de Portugal, distinguiu um total de 62 vinhos brancos e tintos, das várias regiões vitivinícolas nacionais.

Ana Rocha, General Manager da Morais Rocha Wines, mostrou-se satisfeita com este reconhecimento porque “havia excelentes vinhos a concurso, não só do Alentejo mas também de outras regiões, sendo um excelente tónico para continuarmos a produzir vinhos com este patamar de exigência. O nosso reserva é um exemplo de elegância e discrição, com um carácter muito gastronómico. É este o caminho e acredito que os consumidores vão continuar a preferi-lo”.

Digitalizar 29-11-2016, 11.54 página 1.jpg

O Morais Rocha Reserva 2012 é produzido a partir das castas Cabernet Sauvignon e Syrah sendo carregado na cor, de aroma muito profundo com notas florais e vegetais. Tem bom equilíbrio com a barrica, boa coluna na boca, profundidade e carácter. É um vinho com a assinatura do enólogo Diogo da Fonseca Lopes.

A cerimónia onde foram revelados os vencedores deste 3º Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola realizou-se no passado dia 28 de Novembro, na Estufa Fria em Lisboa, tendo sido conduzida por Sílvia Alberto e reuniu mais de 200 pessoas, entre produtores, representantes de cooperativas, enólogos, escanções e responsáveis do Crédito Agrícola de todo o país.

Estiveram mais de 200 vinhos brancos, tintos e espumantes colocados à prova por 121 produtores nacionais das várias regiões vitivinícolas do país. Os 62 vinhos premiados foram distinguidos durante as provas cegas realizadas a 28 e 29 de Outubro na Feira Portugal Agro.

O São Martinho

Outono. Castanhas assadas. Vinho ou água-pé. Magustos. É assim que se vive o São Martinho em Portugal, uma tradição já muito antiga, que segundo alguns historiadores, terá derivado da comemoração do Dia de Todos os Santos, onde era comum acenderem-se fogueiras a assarem-se castanhas. São Martinho ou Martinho de Tours, nasceu no século I na actual Hungria, tendo sido criado em Itália no seio de uma família pagã. Mais tarde converteu-se ao Cristianismo e fundou em Ligugé (França) o mosteiro mais antigo da Europa. Viveu a sua vida ajudando os mais desfavorecidos, pregando ensinamentos bíblicos na qualidade de bispo de Tours.

chestnuts-gathered-in-woods.jpg

No entanto, a São Martinho está associada sobretudo a sua lenda, ainda hoje transmitida de geração em geração. Segundo a mesma, Martinho era um soldado e quando regressava a Itália vindo de França, em plenos Alpes, encontrou um mendigo a pedir ajuda. Sem comida para lhe dar, pegou na espada, cortou o seu manto ao meio e cobriu o homem. Um pouco depois, encontrou novo mendigo e voltou a repetir o gesto, partilhando o que restava do seu manto. Agora desprotegido do frio, Martinho continuou o seu caminho, mas nesse instante, as nuvens desapareceram do céu para darem lugar a um sol radioso que brilhou durante três dias. Ainda hoje é utilizada a expressão “Verão de São Martinho”, sendo usual que nesta altura do ano o frio e a chuva dêem lugar a dias de sol e temperaturas amenas.

Na Morais Rocha Wines o São Martinho é vivido de uma forma muito especial. Tradicionalmente nesta altura do ano são apresentados na Vidigueira os novos vinhos da marca aos amigos mais próximos, num encontro também ele muito gastronómico, onde as iguarias típicas do Alentejo deliciam todos os presentes. Seguem-se longas horas de conversa, generosas doses de boa disposição e o inevitável magusto, tão típico desta data, que se prolonga noite dentro. Fala-se do ano que passou, mas sobretudo do ano que aí vem, das ideias, dos projectos e das novidades. Desta vez não será diferente e certamente que assunto de conversa não faltará, visto que em 2017, serão muitas as surpresas que a Morais Rocha Wines tem reservadas para si.